lilianapeixinho@gmail.com

domingo, 12 de junho de 2016

Velho discurso em novas plataformas

Publicado em 12/06/2016 às 06h00. Atualizado em 12/06/2016 às 09h30.

Velho discurso em novas plataformas

Ano eleitoral comprova o que já se sabe: nada mudou na política brasileira. O ranço do marketing político tradicional, agressivo e compressor, continua em vigor

Liliana Peixinho
voto politico
Imagem ilustrativa (Ilustração: Blog Voto Zero)

Mesmo com a falta de credibilidade dos partidos, no Brasil, impressiona o apelo de programas pagos em horário nobre em mídias de largo alcance como televisão e rádio. Os parlamentares e representantes de legendas tratam o serviço como um negócio e tentam seduzir “clientes” em linguagem ultrapassada, destaque para dados sobre o número de municípios e estados onde estão representados, em discurso, insosso, cínico, cara de pau e sem novidades. A agonia da mensagem é revelada em leituras mal feitas de textos produzidos pelo marketing político de cada legenda, que, embora muitas, centenas, o discurso tem o mesmo formato. E fico aqui pensando que tipo de eleitor ainda se deixar enganar, acreditar, em discursos tão rasos! E porque nós, eleitores, ainda somos obrigados, direta ou indiretamente, a pagar caro, por uma audiência imposta, no automático.
Fiz uma pesquisa entre amigos, familiares e conhecidos, para saber quem desliga a TV, por exemplo, durante a exposição desses programas, diluídos ao longo de todo o ano. De 50 pessoas contatadas somente três disseram que desligam a TV e a quase totalidade disse que por estar na frente do televisor, não se esforça para desligar a TV. Dessas pessoas, 20 têm TV a cabo, condição que até os fariam esquecer outras programações, em canal aberto, e mudar a programação. O que poucos o fazem. A maior parte disse que deixa a TV ligada, mas sai do sofá para fazer outra coisa: ir ao banheiro, à cozinha, fazer uma ligação telefônica, preparar uma merenda, para não perder a programação que se preparou para assistir, seja um jornal, uma novela, um programa de entretenimento. Dos que veem a programação partidária, a maioria disse que gosta de ver para poder dar risada ou mesmo criticar o discurso dos candidatos, do partido, seja qual for a legenda.

Não há nada de novo em quem defende

discursos velhos como novas políticas


Em ano de eleição, e com tanta falta de credibilidade dos partidos e dos políticos, fico a pensar o que novos partidos, surgidos sempre em rastros de outros, por decepção, por busca de espaço ou mesmo por disputa de novos discursos, podem fazer, de fato, para não repetir erros que estão a combater, em vícios históricos, como a cata de eleitores, filiados, militantes! E o que pensam e querem essas pessoas, sobre as legendas que carregarão nas costas, na cabeça, no ombro, na mente e até no coração, como dizem alguns por ai? Uns pagos para isso, outros pagando o que não têm querer acreditar que o voto é direito sagrado e que não pode ser jogado fora, vendido, negociado, trocado como moeda eleitoral.
Vemos alguns partidos, antes chamados de nanicos, ganharem força, visibilidade e representação, Brasil afora. O caminho tem sido o mesmo, baseado em práticas de antigas legendas, onde fisiologismo, panelinhas, puxa-saquismo e brigas cínicas estressam os espaços por disputa de apoios às candidaturas que defendem, por amizade ou profissionalismo. Não vejo nada de novo em quem defende discursos velhos, como novas políticas. O ranço do marketing político tradicional, agressivo e compressor, continua em vigor. E, se acham que tem funcionado para os velhos objetivos, por que mudar? Será que o eleitor está mesmo exigente para discernir entre quem, como, o que quer, e precisa acreditar, para justificar suas escolhas de representação?
Tenho visto um movimento, nesse mercado, que ganha força, em novas formas de captação de recursos, via plataformas crowndfunding, financiamento coletivo de projetos, ações, para dar cara nova, ao velho fazer de conta.  Os mecanismos até são novidade para um país com sujeira histórica entre campanhas e financiadores delas. As velhas formas de viabilizar o discurso continuam a consumir tempo, recursos e paciência, para encarar palestras, participar de eventos de formação política, com discursos velhos, em cara travestida de nomes robustos, generalistas, nos quais análises de conjuntura política, cenários, problemas e desafios, continuam na pauta. Mas, sem apontar caminhos que realmente incluam os que, desconfiados, ficaram traumatizados, decepcionados, escaldados de novos discursos, para velhas práticas. E tem é gente desmotivada a se mobilizar, para participar de plenárias, cenários sedentos de poder e ego espelhados em selfies rasas, Brasil afora. E ainda bem! Quem sabe o “não” abra espaço para o “talvez”!

liliana campanha permanente desde 199 D zero camisa pretaLiliana Peixinho – Jornalista, ativista, autora de “Por um Brasil Limpo”, Fundadora da Rede Ativista de Jornalismo e Ambiente (Reaja), Movimento Amigos do Meio Ambiente (ama), Mídia Orgânica e outras mídias alternativas. Especializada em Jornalismo Científico e Tecnológico. Vencedora do Prêmio Shift – Agentes Transformadores – 2015.
TEMAS: Brasil , decepção , eleição

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Direitos em xeque !

Publicado em 15/05/2016 às 08h15.

Brasil em direitos negados

Num momento em que o país passa por mudanças no comando central, há sinais de que pouco (ou nada) mudou para o cidadão brasileiro comum

Liliana Peixinho

image 1305
Imagem ilustrativa (Foto: Blog Cleber Miranda)

Num país onde o povo fica horas em filas, seja para esperar ônibus lotados e sem segurança, tentar disputar uma dose de vacina contra vírus mortais, lutar por uma vaga em creche pública, agendar um horário no INSS para uma perícia médica e esperar meses e meses para ouvir um não a benefícios negados a quem não pode andar nem usar as mãos. Num país onde as leis elastecem mordomias, mas restringem direitos básicos como acesso a água limpa e esgoto sanitário. Num país onde se prende quem rouba uma fruta e deixa solto quem sucateia as riquezas naturais; onde se fica rico de um dia pro outro, mas se perpetua a miséria em engodos sociais; onde se sai de casa em labuta diária, sem a garantia de volta para a família, o que esperar desse país, cujas composições ministeriais, historicamente, são responsáveis por esse quadro de desigualdade social?
Quanto tempo (anos, décadas) será necessário para se restabelecer um país, cujos bens patrimoniais – como o Rio Doce, o Velho Chico, a Amazônia, o Cerrado, a Caatinga, a Mata Atlântica, os bancos de fomentos – e as comunidades tradicionais indígenas, quilombolas, agricultores familiares, artesãos, pescadores, são explorados em nome da expressão sustentável, em conceito desgastado, mal utilizado, sem prática real da necessidade entre produção e consumo?
O que esperar de um país que se vangloria de políticas econômicas cujas commodities agrícolas registram imagens áreas de uma terra em monoculturas transgênicas ou plantios envenenados em agrotóxicos? Um país que mata na mesa e resiste em mudar sistemas produtivos desumanos, insanos, indignantes, em estado similar ao da escravidão de mão de obra? O que esperar de um sistema onde o faz de conta ainda engana, seduz cidadãos que não perdem a esperança em discursos rasos, falhos, comprovadamente criminosos, como os apurados na Operação Lava Jato?

Se alguns continuam com tantas regalias, o

que esperar do país, seja em que governo for?


O que esperar de um país onde recém-formados fazem fotos como futuros desempregados e sabem que toda a criatividade, coragem e conhecimento não serão suficientes para enfrentar uma crise onde mais de 10 milhões de trabalhadores, muitos experientes e bem preparados, amargam a agonia de não poder pagar contas básicas como luz, água, condomínio, transporte?
O que esperar de um novo governo, com práticas de velhas políticas, excludentes, concentradoras de renda, cegos a anseios de direitos básicos como moradia decente; e que paradoxalmente, imprime, sustenta, garante um sistema que privilegia mansões desocupadas enquanto espreme famílias numerosas em casinhas sem estruturas mínimas como esgoto sanitário, transporte decente ou posto de saúde que cuide da vida, antes da morte?
O que esperar de um sistema político, historicamente viciado em corromper o porteiro, a merendeira, a secretária, o professor, o diretor, com escolas onde até o alimento para os alunos, é desviado, superfaturado? Para os sem partidos, sem representação política, sem rabo preso, que resistem ao mais de mesmo, ao faz de conta, a cenários de selfies rasas, em práticas de ostentação egoístas, o Brasil dá sinais de que vai demorar a se recuperar.
Temos escutado por ai que há esperança. Essa pode ser para os netos e bisnetos de uma geração que muito lutou para ver o país, não concentrador de renda, mas que pudesse espalhar, distribuir, compartilhar sua riqueza com todas as camadas sociais, sem privilégios desse ou daquele grupo social, mas, em especial, para os que, historicamente pagam uma conta alta por acreditar em promessas de vida fora do faz de conta, em mudanças reais e de direitos, que continuam negados e até quando? Se vereador, deputado, senador, presidente, funcionário público dessa ou daquela instituição, continuar com regalias como foro privilegiado, assessores, moradia, salários, assistência médica e tudo o que um ser humano precisa, em detrimento de outros, que nem mesmo podem pagar pela morte matada, em dados que falam em cerca de 50 mil homicídios por ano. O que esperar desse país, seja em que governo for?

liliana campanha permanente desde 199 D zero camisa pretaLiliana Peixinho é jornalista, ativista, autora de “Por um Brasil Limpo”. Fundadora da Rede Ativista de Jornalismo e Ambiente (Reaja), do Movimento Amigos do Meio Ambiente (AMA), da Mídia Orgânica e outras mídias alternativas. Vencedora Prêmio Shift – Agentes Transformadores – 2015.

domingo, 6 de março de 2016

O CUIDADO DE CADA UM, NA NOSSA CASA COMUM


domingo, 6 de março de 2016


O CUIDADO DE CADA UM, NA NOSSA CASA COMUM.


 
   Pe Renato Peixinho*
A Campanha da Fraternidade de 2016 nos dar a oportunidade, a cada um de nós, sobre a necessidade, diária, do cuidado com a vida. O lema da campanha: “Casa comum, nossa responsabilidade”, reforça o  direito e o dever de agirmos em nome do “Querer ver o direito brotar como fonte, e correr a justiça qual riacho que não seca”. Em cenários de descaso e falta de cuidado com a vida, a campanha nos remete à necessidade de mudar  comportamentos. Observe que a Natureza nos presenteia com tudo limpo e perfeito e desenvolvemos para ela, tudo sujo, misturado, como lixo sem valor. E não merecemos uma casa assim, porque a vida, a saúde, a alegria, a harmonia em nosso lar, depende de  cuidado diário, constante, permanente, em todos os ambientes onde a vida se desenvolve.
Essa campanha da Fraternidade chama atenção sobre o sério problema do saneamento básico no Brasil. Independente do dever institucional, das leis, precisamos agir individualmente, com a responsabildiade dos nossos atos, em nome do coletivo. O cuidar da vida, de si, e do outro, é direito e dever sagrados de existencia. E essa comunhão é importante para assegurarmos respeito e civilidade. A higiene, a limpeza, o cuidado com os nossos descartes, é nosso dever para não poluirmos, degradarmos, extinguirmos as riquezas naturais como a água, fonte da vida. 
Todas as pessoas estão sendo chamadas, à luz da fé e do cuidado, a zelar de si, e do outro. A tomar atitudes responsáveis, limpas, que garantam a integridade e o futuro em nosso lar, em nossa rua, escola, bairro, cidade, estado, país, planeta afora. Precisamos, todos os dias, em todos os lugares, garantir a saúde integral, com a qualidade de vida que  cada um de nós merecemos. como obra de Divina.
De acordo com a CNBB uma das grandes novidades desta quarta edição da campanha ecumênica, é a participação da Misereor, entidade episcopal da Igreja Católica da Alemanha que trabalha na cooperação para o desenvolvimento na Ásia, África e América Latina. A colaboração acontece em vista do desejo dos organizadores em transpor as fronteiras, desafios afora. Como baiano, nordestino, brasileiro, tive a oportunidade de estudar, morar e conviver com a cultura do povo alemão, onde pude aprender sobre o respeito e o cuidado com o ambiente, com a vida, em olhar profundo e de compromisso com os ciclos limpos, em ambientes onde a vida se desenvolve. Voltei ao meu pais, ao meu estado, com compromissos ainda mais fortes sobre os desafios que nossa Paróquia abraça, de coração, alma e cérebro, sintonizados com o outro, em cuidado, amor e entrega para o trabalho que precisaremos estar preparandos, para executar. E isso é compromisso de nossa paróquia, que deseja ser exemplo para outras, Brasil afora.
Essa campanha de 2016, a exemplo de outras, será realizada de forma ecumênica. O Papa Francisco nos tem presenteado, constantemente, com sua coragem e compromisso na defesa da vida. O tema saneamento básico, vem reforçar esse direito humano fundamental, e isso requer a união de esforços coletivos, independente da fé que professem. A partir desse princípio ecumênico conclamamos cada cidadão, cada pessoa, cada filho de Deus para, juntos, em ação de bem comum, trabalharmos com amor e cuidado para a garantia do abastecimento de água potável, do esgoto sanitário, da limpeza urbana, do manejo de resíduos sólidos, seja um roupa, um sapato, um brinquedo, um eletrodoméstico, um sofá, um tapete velho,  em cultura de cuidado, de Reaproveitamento, de Reuso, de Reinvenção, fazendo do que ainda chamamos de lixo, fonte de oportunidades cidadãs. Cada brasileiro gera, por dia, uma média de um quilo de resíduos sólidos. Aquilo que  que ainda chamamos de lixo. E assim se chama porque apesar da Natureza nos dá tudo limpinho, devolvemos para o ambiente, de forma suja, desrespeitosa. E queremos e podemos e vamos, juntos,  mudar esse jeito de fazer. Nossa Paróquia se prepara para isso e precisa da ajuda de cada um.
 Ao invés de misturarmos tudo, sem cuidado, sem controle,  vamos aprender a cuidar de cada objeto e evitarmos a transmissão de doenças. Vamos cuidar, nos mobilizar, nos unir, para garantir a drenagem das águas pluviais, das margens do rios, que precisam de plantas. Vamos semear, regar, cuidar, adotar todas as medidas necessárias para que cada pessoa, dessa Paróquia por ter saúde e vida dignas.
Sintamos em nossos corações que é nosso dever, nosso desafio,  e  nossa responsabilidade, nos perguntarmos, todos os dias: Para onde vai cada saquinho de açucar, cada copinho plástico, cada casca de banana, que dispenso. Que caminhos cada um deles faz, até seu destino final? Pergunte-se, agora, onde foi parar aquele papelzinho de bombom que acabei de dispensar? E aquela roupa que cansei de usar, o sapato que não cabe mais no  pé, porque continua guardado, sem usar? Imagine que cada coisa dessa ai poderia estar fazendo o bem, a outra pessoa, ao ambiente, em outro lugar, ao invés de ser causador de dor, sujeira, doenças e mortes.
Convidamos você a ser AMA, amigo do meio ambiente, amigo da vida, parceiro da nossa Paróquia, para fazer de cada casa, de cada rua, de cada bairro , de cada distrito, de cada comunidade, um exemplo de amor e cuidado com a vida. Amém.
*Pe Renato Peixinho, Pároco de Inhambupe – Bahia rpeixin@gmail.com

domingo, 7 de junho de 2015

AMA FAZ CICLO DO LIXO ZERO

AMA cria CICLO LIXO ZERO
Liliana Peixinho - Jornalista Ativista
O Movimento AMA - Amigos do Meio Ambiente, criado em 1999, está a realizar ações em condomínios para o DESPERDICIO ZERO = LIXO ZERO = AMBIENTE 10
O bloco 37, bairro Saboeiro, Salvador- Bahia, apresenta resultados que começam a brotar bons frutos, em cadeia de uso e descartes limpos de ponta a ponta. A sensibilização é focada em Cultura dos 7 Rs : Racionalizar, Reduzir, Repartir, Reutilizar, Reinventar, Reutilizar, para Revolucionar comportamentos. A proposta é mudar hábitos sujos, em limpos.
Identificamos, apoiamos e incluímos catadores, artesãos, artistas, educadores ambientais, donas de casas proativas, como Agentes Transformadores.
A coleta que o AMA faz, porta a porta, gera saneamento, renda, inclusão comunitária, cidadania e alegria, a quem recebe e transforma.
Nosso sonho, desde1999, é " LIXO ZERO". Achavam loucura! E o mundo mostra que é possível, e necessário. Basta querer e fazer.
Se tudo for separado para descartar, em cuidado, até o orgânico - problema seríssimo em falta de saneamento - vai adubar os "QUINTAIS VERDES"
Nossa meta é educar sensibiizar, na ação do fazer, para subverter o conceito "lixo": algo sujo, misturado, foco de doenças - em civilidade, saúde, onde MENOS consumo, será sempre, MAIS: vida, harmonia, felicidade de verdade!
Entenda o CICLO DESPERDICIO ZERO = LIXO ZERO = AMBIENTE 10
Veja fotos da sequência do ciclo
1 - Com a síndica Vécia Acely, do bloco 37, Saboeiro, Salvador, Bahia. As Caixas Coletaras AMA pegam carona em carro amigo, como o de Nanci Belas para a trilha de exemplo multiplicador. até artesãos e agentes transformadores do bem.
2 - A artista da Galeria de Artes Zel Torres, recebe o material coletado pelo Movimento AMA - Amigos do Meio Ambiente, que, em ação agregadora, do OUTRO NO EU, expõe trabalhos, feitos com arte e compromisso pelo casal Ivan e Diva, da Mosaicos Reciclados, onde turistas e visitantes compram, usam, e decoram ambientes, de forma harmoniosa, sustentável, de fato, ao ajudar, incluir, valorizar a produção da comunidade local.
3 - Sabe aquelas Caixinhas de leite, sucos... embalagens de material de limpeza, caixas de papelão de produtos diversos" Então, cada morador separa os seus resíduos, de forma limpa e educada, e ao sair para a rua, dá uma paradinha na porta do 201 e deixa a Caixa AMA Coleta ou a Sacola AMA, no trinco e o que seria: "lixo", se transforma em "arte", renda, inclusão, saneamento, civilidade, vitrine para o mundo. Um exemplo é a Galeria de Artes Zel Torres, na Comunidade de Arembepe, Litoral Norte da Bahia.
4 - E aqueles vasos de produtos de limpeza?. Como danificam os rios, mares e florestas, Brasil afora. Mas, cortados em pequeninos pedaços e montados em mosaicos, viram quadros lindos, com resgate de culturas tradicionais: Quilombolas, pescadores, marisqueiras, muito presentes na Bahia. Povos que na zona rural, recebem do AMA vasilhames de coleta de óleo de cozinha, que não foi ralo abaixo poluir a água tratada e vira sabão, em mãos cuidadosas como as da família de Seu Arnou, lá na comunidade de Umburana, Bahia Sertão Adentro.
5- E aquela madeiras de demolição? É totalmente reaproveitada em arte útil e decorativa, colorindo e alegrando a casa, o trabalho, a escola.
6 - E como o Brasil consume muito cerveja, refrigerante, sucos e tais o que fazer com tanta ( aff) latinhas?. O Luiz Cerqueira mostra o que ele faz. Usa como base de parede para Moradia Sustentável na Comunidade Alternativa Aldeia de Arembepe., Litoral Norte da Bahia.
" Uso 10% de cimento e o restante, de areia, Liliana, " diz o artista plástico Luis Cerqueira, do Studio 44. Luis também usa material que o mar rejeita nas areias das praias. Todas as manhãs, depois de sua corrida na Praia de Arembepe e do seu banho de mar, Lula volta ao Studio 44, cheio de resíduos, rejeitados pelas águas de mares até distantes da Bahia, do Brasil E ele Reutiliza tudo, em "Arte Protesto".
7 - Olha ai Banheiro Sustentável, ao ar livre, no Studio 44- do Artista Luis Cerqueira. Fica no Paraíso Ecológico Aldeia de Arembepe -Litoral Norte da Bahia.
8 - E como cimentar todo o quintal é bizarro, criminoso mesmo, olha o herbário do bloco 37, adubado organicamente, e com diversas plantas como: erva cidreira, capim santo, hortelâs: graúdo e miúdo, alumã, boldo, entre outras fontes de combate a problemas de saúde.
9 -Observe o cuidado de dona Maria Amélia - 84 anos, que ama plantar e colher flores, folhas e frutos - separando folhinha por folhinha, da colheita que o AMA realiza no bloco 37, e leva pra ela fazer seus chazinhos orgânicos.
10 - E para celebrar com quem leu e entendeu tudo, é hora de ferver o chá e brindar a Vida- em construção diária de ciclos limpos, saudáveis e harmoniosos - com a matriz Mãe Natureza!


quinta-feira, 4 de junho de 2015

O SONHO COM OBAMA



Prestei tanta atenção ao discurso de Obama que o pouquinho que cochilei, depois do ouvi-lo até o final, passei sonhando com ele, ao meu lado, com um cajado, percorrendo caminhos, em desafios da Vida, com harmonia. E a Michele, junta, com me
ninas e meninos. Eita sonho que não vou esquecer! E o melhor de tudo é acordar agora e ter certeza da sua vitória, em manchetes de jornais.

Escrevi esse texto antes de Obama entrar no palco, onde discursou, remontando desafios históricos de uma nação que pratica o compromisso, a cidadania, o trabalho... para correr atrás de sonhos.
Em meio a sofrimento pelas consequencias da furiosa tempestade Sandy o eleitor, no frio e alguns até sem luz, foi as urnas, gastar cerca de meia hora, para votar, sem ser obrigado, do presidente ao xerife. Dá gosto ver um povo assim, lutando para garantir direitos conseguidos a sangue, suor e lágrimas.


Passado o desafio histórico racial, a reeeleição de Obama agora, representa uma esperança nos desafios de Política horizontalizada, onde o Poder possa ser compartilhado como instrumento de transformações para o salto qualitativo da vida. A Michele deu exemplos com fatos cotidianos, como a boa alimentação. Exigir que o americano seja obrigado a pagar um plano de saúde é nivelar por cima, pois certamente as condições para isso estão no planejamento dos desafios: desemprego, habitação, corte na isenção de impostos dos ricos, educação integral, infraestrutura, intercambio, homogeneidade planetária. A diferença entre Obama e Romney pode ser sentida no comportamento. Passados por volta de uma hora da certeza da vitória de Obama, o Romney ainda não tinha aparecido para reconhecer a derrota, publicamente. Obama, com certeza, prevenido, deve ter pensado e escrito os dois discursos, pra não deixar o povo perder tempo. Elemento que o Obama valoriza como trabalhador do eleitor. O abraço de Obama com Michele, é bem representativo de desejos como harmonia, sensibilidade, civilidade, respeito. O mundo pode ficar melhor com esses valores. Viva Obama!.
She voted for him for the same reason she married him—his character. Cast your ballot for President Obama today:http://OFA.BO/6C7yC7
4

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Desafios no front



Por: Liliana Peixinho
Prestei tanta atenção ao discurso de Obama que o pouquinho que cochilei, depois do ouvi-lo até o final, passei sonhando com ele, ao meu lado, com um cajado, percorrendo caminhos, em desafios da Vida, com harmonia. E a Michele, junta, com me
ninas e meninos. Eita sonho que não vou esquecer! E o melhor de tudo é acordar agora e ter certeza da sua vitória, em manchetes de jornais.

Escrevi esse texto antes de Obama entrar no palco, onde discursou, remontando desafios históricos de uma nação que pratica o compromisso, a cidadania, o trabalho... para correr atrás de sonhos.
Em meio a sofrimento pelas consequencias da furiosa tempestade Sandy o eleitor, no frio e alguns até sem luz, foi as urnas, gastar cerca de meia hora, para votar, sem ser obrigado, do presidente ao xerife. Dá gosto ver um povo assim, lutando para garantir direitos conseguidos a sangue, suor e lágrimas.

Passado o desafio histórico racial, a reeeleição de Obama agora, representa uma esperança nos desafios de Política horizontalizada, onde o Poder possa ser compartilhado como instrumento de transformações para o salto qualitativo da vida. A Michele deu exemplos com fatos cotidianos, como a boa alimentação. Exigir que o americano seja obrigado a pagar um plano de saúde é nivelar por cima, pois certamente as condições para isso estão no planejamento dos desafios: desemprego, habitação, corte na isenção de impostos dos ricos, educação integral, infraestrutura, intercambio, homogeneidade planetária. A diferença entre Obama e Romney pode ser sentida no comportamento. Passados por volta de uma hora da certeza da vitória de Obama, o Romney ainda não tinha aparecido para reconhecer a derrota, publicamente. Obama, com certeza, prevenido, deve ter pensado e escrito os dois discursos, pra não deixar o povo perder tempo. Elemento que o Obama valoriza como trabalhador do eleitor. O abraço de Obama com Michele, é bem representativo de desejos como harmonia, sensibilidade, civilidade, respeito. O mundo pode ficar melhor com esses valores. Viva Obama!.
She voted for him for the same reason she married him—his character. Cast your ballot for President Obama today:http://OFA.BO/6C7yC7
4

terça-feira, 17 de abril de 2012